segunda-feira, maio 12, 2014

a boca seca como se carecesse de razão
com a sede a que se busca água, busca-se, buscasses, o que falar como se se justificasse
e um pouco se justificava, mas não era água que lhe buscava
ao falar quase que me calo toda
como se tuas palavras tua boca matassem minha sede e tão longe da minha, longe como o deserto seco de outro, daquele outro continente no qual meu corpo não está contido mais, o seu corpo, o nosso deserto seco do outro, no outro corpo, o nosso corpo, não esse, o outro corpo

como se tudo fosse claro me virei
me virei desobedecendo à ordem dos anjos
me virei de costas e como Sodoma e Gomorra todo pecado cometido, prestes a findo está
me virei de costas e como Babilônia toda língua falada e não entendida desfez-se em sal
desfez-se em sal, fez-se mar e o deserto virou água em minha boca cansada de calar
Postar um comentário